Gabriela (1975) Resumo | Personagens | Trilha Sonora

Confira o resumo da novela Gabriela (1975) desde o primeiro capítulo. Além do resumo você terá informações sobre a história, personagens e trilha sonora. Fique por dentro das novidades das novelas, aqui você encontra o resumo completo de Gabriela (1975) e de todas as novelas da Globo.

Sobre a Novela Gabriela (1975)

◘ Período de exibição: 14/04/1975–28/10/1975
◘ Horário: 22h
◘ Nº de capítulos: 135
◘ Autoria: Walter George Durst
◘ Direção: Walter Avancini e Gonzaga Blota
◘ Supervisão: Daniel Filho

Adaptação livre de Walter George Durst do romance Gabriela, Cravo e Canela (1958), de Jorge Amado, a história se passa em 1925, quando uma seca devastadora obriga as populações famintas do Nordeste a emigrar em busca da sobrevivência. Na novela, o destino é Ilhéus, no sul da Bahia, região em expansão graças ao plantio e comércio do cacau. Gabriela (Sônia Braga) é uma das vítimas da seca. Moça de natureza livre e impulsiva, ela consegue trabalho como cozinheira na casa do “turco” Nacib (Armando Bógus), com quem vive uma sensual história de amor.

Jovem bonita e cheia de vida, dona de uma sensualidade espontânea, Gabriela logo passa a ser o principal objeto de desejo dos homens da cidade, além de alvo da inveja das mulheres. Simples e ingênua, ela encontra dificuldades para assimilar as regras de comportamento da sociedade de Ilhéus. Nacib, por sua vez, nasceu na Síria e foi criado no Brasil. Homem de alma leve, que tem riso e conversa fáceis, é o dono do Bar Vesúvio, por onde transitam várias figuras pitorescas do local, como o professor Josué (Marco Nanini), Alfredo Bastos (Hemilcio Fróes), Berto Leal (Mário Gomes), Juca Viana (Pedro Paulo Rangel), Ezequiel Prado (Jayme Barcellos), Doutor (Ary Fontoura), João Fulgêncio (Luís Orione), Tonico Bastos (Fúlvio Stefanini) e Tuísca (Cosme dos Santos). Por conta do jeito simpático e bonachão, o “turco” sabe tudo o que se passa na cidade, embora seja conhecido por ser discreto, confiável e não emitir opiniões comprometedoras. Ama as mulheres e, até conhecer Gabriela, frequenta, como quase todos os homens de Ilhéus, o Bataclan, cabaré animado pelas “raparigas” de Maria Machadão (Heloísa Mafalda), entre as quais está a sua favorita: a bela e atrevida Zarolha (Dina Sfat).

A chegada de Gabriela muda a vida de Nacib. Antes dela, ele contava apenas com a ajuda de Chico Moleza (Tonico Pereira), seu assistente no bar, e Arminda (Thelma Reston), que realizava algumas tarefas domésticas. Depois que Gabriela se torna sua cozinheira, ele se apaixona pela moça e começa a ter um caso com ela. Mas a natureza sem pudores da moça o deixa enciumado e furioso. Ela se diverte com as crianças que brincam na rua como se fosse uma delas, e não tem consciência do efeito que causa nos homens, a quem trata, sem distinção, pelo pronome “seu”. Quando fica admirada com um rapaz bonito, diz naturalmente: “Que beleza de moço!”.

A solução encontrada por Nacib é casar-se com Gabriela. Ele tem esperanças de que, deixando de ser sua empregada, ela passe a se comportar de forma mais comportada. A moça, porém, não consegue mudar seu jeito de ser. Mesmo após o casamento, continua a tratar o marido por “Seu Nacib” e a se comportar da mesma forma livre de antes. Perto do fim da trama, Gabriela acaba caindo na lábia de Tonico Bastos, padrinho de casamento de Nacib. O turco flagra os dois na cama e expulsa a mulher de casa. Gabriela encontra abrigo no Bataclan. No final da novela, Nacib a perdoa.

Gabriela aborda a transformação nos costumes da sociedade patriarcal da Bahia, cujo maior representante, na trama, é o coronel Ramiro Bastos (Paulo Gracindo), fazendeiro que domina a região há anos, reelegendo políticos à custa de eleições fraudadas. Aos 82 anos, ele é um homem seco e autoritário, que sente que os tempos estão mudando e seu controle sobre a cidade precisa ser reafirmado.

Quem faz o contraponto à autoridade do coronel é o jovem exportador de cacau Mundinho Falcão (José Wilker), pertencente a uma família rica de São Paulo. Idealista e genuinamente interessado no progresso da cidade, ele se alia à oposição com vistas à renovação política da região. Uma de suas primeiras propostas é a construção de um porto para a cidade, o que o leva a entrar em conflito direto com Ramiro Bastos. A rivalidade é acirrada quando Mundinho se apaixona por Jerusa (Nívea Maria), neta do coronel.

A morte do coronel Ramiro Bastos no final da trama deixa uma esperança de mudança política em Ilhéus. Mundinho Falcão torna-se o nome mais forte do panorama político local, e é a imagem da renovação. Entretanto, na última cena da novela, ele aparece todo vestido de branco, sendo saudado pelas baianas que beijam sua mão em praça pública, um gesto típico de reverência aos coronéis da região.

Resumo de Todos os Capítulos da Novela Gabriela (1975)

** Resumo não divulgado.
Para saber mais sobre os capítulos clique em: Resumo Novela Gabriela 2012

A novela retratava a vida de Gabriela, simples moça do sertão baiano que fora para Ilhéus para fugir da seca nordestina. Moça sofrida, porém muito alegre, seduzia os homens; a novela mostrava o amor de Gabriela com um estrangeiro que não aceitava seu comportamento, ora ingênuo, ora loucamente sensual. Gabriela era uma morena brigona e ousada, que andava descalça e com vestidos extremamente curtos, e muito trabalhadora.

A primeira mulher a viver Gabriela na TV foi a atriz Jeanette Vollu, em Gabriela Cravo e Canela, seriado dirigido por Maurício Sherman e exibido na TV Tupi, em 1961. Em entrevista a O Globo, em 1975, Sherman conta que a atriz foi escolhida por uma comissão da qual faziam parte o próprio Jorge Amado e sua mulher, Zélia Gattai. O seriado teve 40 capítulos, de 20 minutos, exibidos sem intervalo comercial, às terças e quintas-feiras. O elenco contava ainda com o próprio Maurício Sherman, Paulo Autran, Glauce Rocha, Grande Otelo, Sueli Franco, Oswaldo Loureiro, Jece Valadão, Milton Moraes e Oduvaldo Vianna Filho, entre outros.

Segundo Daniel Filho, Gabriela foi idealizada para dar tempo de produzir a novela O Rebu, de Braúlio Pedroso. Mas esta foi exibida antes, e Gabriela foi levada ao ar para comemorar os dez anos da TV Globo. A trama, segundo o diretor, foi pensada levando-se em conta uma estrutura narrativa calcada em diferentes episódios.

Daniel Filho conta que, durante a procura pela mulher ideal para viver Gabriela, tentou uma escolha inusitada: fez um convite a Gal Costa. A cantora baiana, entretanto, declinou, alegando não saber representar. Em seguida, inúmeros testes foram feitos para a personagem; mas o diretor decidiu que o papel teria de ser de Sônia Braga desde que viu seu desempenho em Caminhos do Coração – Caso Especial escrito e dirigido por Domingos Oliveira em 1971 –, e insistiu com Boni para que ela fosse escolhida. A atriz acabou consagrada no papel, que voltaria a representar em 1983, no filme Gabriela, de Bruno Barreto, atuando ao lado do italiano Marcello Mastroianni, intérprete de Nacib.

Elizabeth Savala ganhou o papel de Malvina depois de um teste ao lado de Marcelo Picchi, seu marido na época. Diante de Walter Avancini e Ziembinski, os dois representaram uma cena da novela Escalada (1975). Avancini os fez repetir várias vezes a cena, implicando com a pronúncia da atriz em uma fala na qual tinha que dizer “Veuve Cliquot”, nome do champanhe francês. Na quarta repetição, depois de ter se esforçado ao máximo para pronunciar corretamente a palavra, a atriz perdeu a paciência e confrontou o diretor, dizendo estar mais preocupada em representar direito do que em ter uma aula de francês. Depois do teste, foi informada de que ganhara o papel. A personagem era rebelde e contra as convenções, e o diretor a provocara de propósito.

Os atores tiveram dificuldades para gravar a cena do velório de dona Sinhazinha, personagem de Maria Fernanda. Participavam da gravação os atores Armando Bógus, Ary Fontoura e Elizabeth Savala. A atriz conta que estava dizendo suas falas quando foi interrompida por um ruído estranho. É que Maria Fernanda dormira e estava roncando. Os três começaram a rir, mas foram repreendidos pelo diretor Walter Avancini. Não adiantou. Todas as tentativas de reiniciar a cena terminavam em risos. O jeito foi parar para o almoço, acordar Maria Fernanda e continuar a cena depois.

Para ajudar a trabalhar o sotaque baiano de Malvina, Elizabeth Savala contou com a ajuda de Lúcia Andrade Rocha, mãe do cineasta Glauber Rocha.

Marco Nanini, natural de Recife, sugeriu ao diretor Walter Avancini que seu personagem fosse um pernambucano que foi morar na Bahia. A sugestão foi aceita e a questão da prosódia e da melodia da fala foi resolvida.

Nívea Maria não foi a primeira opção da direção para interpretar a personagem Jerusa, neta do coronel Ramiro Bastos (Paulo Gracindo). A atriz conta que, ao ser chamada para fazer o papel, o diretor Walter Avancini pediu que ela pintasse os cabelos de louro. Ela rejeitou a ordem mas, ainda assim, ganhou a personagem, par romântico do idealista Mundinho Falcão (José Wilker).

Gabriela foi um dos maiores sucessos da Rede Globo. Além dos altos índices de audiência, a novela foi escolhida pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) como a melhor produção de 1975. Por conta da ótima repercussão da trama, os atores participaram de eventos em Ilhéus, sendo recepcionados por multidões de fãs.

A novela consagrou Sônia Braga como símbolo sexual.

As atrizes Elizabeth Savala e Natália do Vale estrearam em Gabriela.

Hugo Carvana fez uma participação especial na trama, interpretando um poeta louco.

Stênio Garcia participou de dois capítulos da novela, vivendo Felismino, um personagem que era traído pela mulher.

José Wilker credita parte do sucesso de Gabriela ao acerto na escalação do elenco, além da solidez dos personagens. O ator conta que a cumplicidade entre atores e personagens era tanta que ele até reescrevia algumas cenas suas, com a anuência do diretor Walter Avancini.

Gabriela foi a primeira telenovela a ser vendida para Portugal e abriu as portas de outros continentes para a compra de novelas brasileiras. Em maio de 1977, quando a novela estreou no país, a Rádio e Televisão Portuguesa (RTP) promoveu um show com Vinicius de Moraes, Toquinho e Maria Creuza. Elizabeth Savala conta que ela e Fúlvio Stefanini viajaram a Portugal para promover a produção, e foram recebidos por uma multidão no aeroporto. Todas as meninas tinham o corte de cabelo de Malvina, enquanto os rapazes portavam pentes iguais ao usado pelo personagem Tonico Bastos. Assim como Savala, Fúlvio Stefanini marcou época com seu papel.

A bengala usada pelo personagem Rômulo Vieira, interpretado por Marcos Paulo, não era um mero acessório da caracterização. Ela foi incorporada ao personagem por conta de uma necessidade do ator, que sofrera um grave acidente de moto em janeiro de 1975.

Gabriela foi reprisada – em forma de um compacto com 70 capítulos – entre janeiro e maio de 1979, e entre outubro de 1988 e fevereiro de 1989.

Em junho de 1982, a novela foi reapresentada em 12 capítulos, exibidos às 22h15. Para isso, foi feita uma reedição dos 135 capítulos originais, sob a direção de Ubiratan Martins.

Malvina e a mulher brasileira
Outro conflito que marcou Gabriela foi a luta das mulheres para se libertarem do jugo patriarcal, representada por meio da recusa da personagem Malvina (Elizabeth Savala) a aceitar um casamento arranjado pelos pais. Em nome do amor que sente pelo professor Josué (Marco Nanini), um poeta romântico, mais velho e sem dinheiro, Malvina enfrenta o pai, o coronel Melk Tavares (Gilberto Martinho), e assume atitudes ousadas para as mulheres da época. A personagem vive ainda um romance com um homem desquitado, o galante Rômulo Vieira (Marcos Paulo), e chega a abandonar tudo para fugir com ele, que, apesar do prometido, não vai ao seu encontro.

Elenco
Alciro Cunha – Aristóteles Pires
Ana Maria Magalhães – Glória
Antônio Carlos
Antônio Vitor – Juiz
Armando Bógus – Nacib
Blanche Paes Leme – d. Crisalina
Ferreira Leite
Hugo Carvana – Argileu Palmeira
Ilcéa Magalhães – Pretinha
José Wilker – Mundinho Falcão
Líbia Esmeralda – d. Jorgina
Margareth Boury – Mariquinha
Maria Angélica – Neuzona
Maria das Graças – Deusolina
Maria Lucia Dahl – Jandaia
Monah Delacy – d. Dadá
Nazareth Alair
Neila Tavares – Anabela
Paulo César Pereio – Príncipe
Paulo Gracindo – coronel Ramiro Bastos
Regina Vianna – Salma
Roberto Bomfim – Chico Chicão
Rubens de Falco – Pimentel
Samir de Montemor – Saad
Sônia Braga – Gabriela
Stênio Garcia – Felismino
Wilson Grey

Elenco / Personagens

GABRIELA (Sônia Braga) Nascida no Nordeste e órfã ainda menina, ficou aos cuidados do tio, ajudando na roça. A seca os obriga a deixar a terra. Moça ingênua, de natureza livre e impulsiva, não conhece limites. Desperta o desejo e a fantasia dos homens da cidade. Vai trabalhar com Nacib (Armando Bógus), com quem se envolve.

NACIB (Armando Bógus) Nascido na Síria e criado no Brasil, chegou em Ilhéus já adulto, abrindo o bar Vesúvio, o mais popular da cidade. De riso fácil, bonachão, sempre envolvido com os problemas alheios, com certo cuidado em emitir suas opiniões. Coração aberto e alma leve, amigo do bom viver. Chamado de “turco” pelos moradores da cidade. Apaixona-se por Gabriela (Sônia Braga).

MUNDINHO FALCÃO (José Wilker) Jovem exportador de cacau, originário de uma família rica de São Paulo. Decidido e prático, fixa-se em Ilhéus onde, além do comércio, envolve-se nos movimentos de renovação política da região. Apaixona-se por Jerusa (Nívea Maria), neta do coronel Ramiro Bastos (Paulo Gracindo), cujo poder ele contesta.

CEL. RAMIRO BASTOS (Paulo Gracindo) Fazendeiro de cacau, vindo da época do desbravamento. Antigo chefe político da região. Aos 82 anos, é um velho seco, já viúvo, mas ainda dita ordens. Controla a cidade e a vida de seus dois filhos, Tonico Bastos (Fúlvio Stefanini) e Alfredo Bastos (Hemílcio Fróes).

TONICO BASTOS (Fúlvio Stefanini) – Dono do cartório da cidade e herdeiro das fazendas de cacau do pai, o coronel Ramiro (Paulo Gracindo). Espécie de Don Juan, a meio caminho entre a elegância e a canastrice, que seduz mulheres solteiras ou casadas e desdobra-se em desculpas e mentiras para a esposa, a ciumenta Olga (Ângela Leal). Sempre vestido com ternos e chapéus impecáveis, todos os dias ele para no Vesúvio, para tomar um digestivo antes de voltar ao cartório. Tem um ar de malandro e costuma alisar o bigode e erguer uma sobrancelha enquanto repete seu discurso de defensor dos órfãos e viúvas. Tem a mania de encerrar todas as conversas dizendo com ar despreocupado: “Já lhe dei o meu cartão?”.

OLGA BASTOS (Ângela Leal) Mulher de Tonico Bastos (Fúlvio Stefanini). Rica, filha única, órfã de um fazendeiro, tem um ciúme doentio do marido, sempre o ameaçando e sempre se deixando enganar. Extremamente moralista, é conhecida por seus exageros no vestir e na defesa da honra da cidade.

ALFREDO BASTOS (Hemílcio Fróes) Filho mais velho do coronel Ramiro (Paulo Gracindo), irmão de Tonico (Fúlvio Stefanini). Modesto deputado estadual, mantém-se na política por vontade paterna. Sua vocação, no entanto, é a medicina, sendo um pediatra conceituado. Casado com Idalina (Sônia Oiticica) e pai de Jerusa (Nívea Maria).

IDALINA BASTOS (Sônia Oiticica) Mulher de Alfredo (Hemílcio Fróes) e mãe de Jerusa (Nívea Maria). Muito amiga de Olga (Ângela Leal), de quem recebe influências, embora sem a personalidade forte da concunhada.

JERUSA (Nívea Maria) Filha de Alfredo (Hemílcio Fróes) e Idalina (Sônia Oiticica), neta do coronel Ramiro Bastos (Paulo Gracindo). Muito fina e tímida, vive encantada com as atitudes arrojadas de Malvina (Elizabeth Savala), sua colega de Ginásio e amiga de infância. Discreta, raramente externa suas opiniões em público. Apaixona-se por Mundinho Falcão (José Wilker), opositor do avô.

PROF. JOSUÉ (Marco Nanini) Subdiretor e professor no Ginásio Enoch, devota um romântico amor às mulheres, adaptando sua tônica poética ao temperamento da jovem por quem se encontra apaixonado. Lírico e tímido, revela-se um homem feroz interiormente, capaz de atitudes de uma coragem desesperada. Apaixona-se por Malvina (Elizabeth Savala).

CEL. MELK TAVARES (Gilberto Martinho) Rico fazendeiro de cacau em Cachoeiro do Sul, reside em Ilhéus com a mulher, Silvia (Ana Ariel), e a filha, Malvina (Elizabeth Savala). Participa ativamente da política local, como presidente do Conselho Municipal. Homem inflexível, seguidor do coronel Ramiro Bastos (Paulo Gracindo).

SILVIA TAVARES (Ana Ariel) Mulher do coronel Melk Tavares (Gilberto Martinho), mãe de Malvina (Elizabeth Savala). Partidária das opiniões do marido, apoia-se nele na hora das decisões, pois não tem rigidez suficiente para enfrentar as situações.

MALVINA (Elizabeth Savala) Filha única do coronel Melk Tavares (Gilberto Martinho) e de Silvia (Ana Ariel), tem o meso temperamento independente do pai. Jovem ousada, que se rebela contra o jugo patriarcal da sociedade em que foi criada. Não teme a opinião alheia e defende com coragem posições excessivamente liberais para a sociedade local.

CORONEL JESUÍNO MENDONÇA (Francisco Dantas) Descendente de alagoanos, chegou a Ilhéus quando a terra era disputada na violência. Conhecido pelo temperamento forte. Casado com Sinhazinha (Maria Fernanda).

SINHAZINHA (Maria Fernanda) Mulher do coronel Jesuíno (Francisco Dantas). Romântica e sensível, dedica-se inteiramente à religião. Apesar de compartilhar dos conceitos do marido, mostra-se mais compreensiva com os problemas alheios.

OSMUNDO PIMENTEL (João Paulo Adour) Cirurgião-dentista, nascido e formado na capital, chega a Ilhéus atraído pela fama da terra próspera e rica.

CEL. AMÂNCIO LEAL (Castro Gonzaga) Homem aparentemente calmo, é um feroz chefe de jagunços. Fazendeiro de cacau, compadre e amigo íntimo de Ramiro Bastos (Paulo Gracindo). Pai de Berto Leal (Mário Gomes)

BERTO LEAL (Mário Gomes) Estudante de engenharia em São Paulo, passa a maior parte do tempo em Ilhéus, onde o pai, o coronel Amâncio (Castro Gonzaga), tenta formá-lo dentro dos seus moldes.

SILVA (Germano Filho) Tio de Gabriela (Sônia Braga), ensinou à menina que tudo deve ser aceito como natural. Viúvo, tuberculoso e cansado, encontra na jovem o seu apoio.

CEL. CORIOLANO (Rafael de Carvalho) Um dos primeiros a plantar cacau no sul da Bahia, suas terras dominam um dos distritos mais férteis de Ilhéus. Mantém a família na capital, e seu único luxo são as raparigas. CHIQUINHA (Cidinha Milan) Rapariga trazida da capital para passatempo do coronel Coriolano (Rafael de Carvalho).

RÔMULO VIEIRA (Marcos Paulo) Amigo de Mundinho Falcão (José Wilker), desquitado. Envolve-se com Malvina (Elizabeth Savala).

MARIA MACHADÃO (Eloísa Mafalda) Dona do Bataclan, o bordel frequentado por todos os homens da cidade.

ZAROLHA (Dina Sfat) Líder das raparigas do cabaré Bataclan, braço-direito de Maria Machadão (Eloísa Mafalda). Bonita, atrevida e autoritária, é capaz das emoções mais ingênuas. Xodó de Nacib (Armando Bógus), passeia em seus braços entre os pares do cabaré, mas é mantida em casa durante o dia, como toda rapariga de Ilhéus.

AURORA (Natália do Vale) – Uma das raparigas do Bataclan.

DOUTOR (Ary Fontoura) Recebeu o apelido ao ingressar na faculdade, apesar de não ter se formado. Vive das fantasias de grandeza, exaltando seus antepassados nobres. Após 30 anos como funcionário obscuro no Rio de Janeiro, volta a Ilhéus com planos de escrever um livro sobre sua família.

CAPITÃO (Sérgio de Oliveira) Coletor federal na cidade, é um dos únicos oposicionistas a manter boas relações com os adversários.

EZEQUIEL PRADO (Jaime Barcellos) Advogado dos mais afamados, está quase sempre ébrio, o que só torna ainda mais convincentes as suas defesas.

MAURÍCIO CAIRES (Paulo Gonçalves) Famoso advogado e presidente da Confraria de São Jorge, especialista em citações da Bíblia. Extremamente moralista.

PADRE BASÍLIO (Jorge Cherques) Pároco de Ilhéus e também fazendeiro de cacau. Atordoado pelas reivindicações dos devotos dos três principais santos da cidade.

JUCA VIANA (Pedro Paulo Rangel) Amigo de Berto Leal (Mário Gomes). Metido a valente, apesar de baixinho, não mede consequências quando deseja algo. Envolve-se com Chiquinha (Cidinha Milan).

JOÃO FULGÊNCIO (Luiz Orioni) Dono da papelaria Modelo, centro intelectual de Ilhéus. Bonachão e risonho, diverte-se com os costumes locais.

FILÓ (Milton Gonçalves) Potencialmente bom, tornou-se ladrão de cavalos por forças das circunstâncias. Preso inúmeras vezes, nunca se conformou com o cativeiro, sempre alerta para uma fuga. Uma interferência do coronel Ramiro (Paulo Gracindo) muda sua vida.

TUÍSCA (Cosme dos Santos) Irmão de Filó (Milton Gonçalves). Engraxate no bar Vesúvio, ainda encontra tempo para colaborar na igreja.

D. ARMINDA (Thelma Reston) Viúva, espírita e parteira afamada. De língua ferina, ajuda Nacib (Armando Bógus) em pequenas tarefas domésticas.

CHICO MOLEZA (Tonico Pereira) Trabalha no bar Vesúvio. Filho de Arminda (Thelma Reston).

FILOMENA (Ilva Niño) Empregada na casa de Nacib (Armando Bógus), é quem mais o incentiva a casar-se, embora ele sempre fuja do assunto.

FAGUNDES (Clementino Kelé) Retirante, seu desejo é se tornar capanga de coronel.

CLEMENTE (Ademar Rodrigues) Jovem sertanejo, seu sonho é montar roça ao lado de uma companheira.

Trilha Sonora Nacional e Internacional

Nacional:
Coração Ateu – Tema de Malvina e Rômulo Vieira
Compositor: Sueli Costa
Intépretes: Maria Bethânia

Guitarra Baiana – Tema de locação
Compositor: Moraes Moreira
Intépretes: Moraes Moreira

Alegre Menina – Tema de Gabriela e Nacib
Compositores: Jorge Amado / Dori Caymmi
Intépretes: Djavan

Quero Ver Subir Quero Ver Descer
Compositores: Tradicional (Arr. R. Santana)
Intépretes: Walter Queiroz

Horas – Tema do Professor Josué
Compositor: Dorival Caymmi
Intépretes: Quarteto Em Cy

São Jorge dos Ilhéus – Tema do Coronel Ramiro Bastos
Compositor: Alceu Valença
Intépretes: Alceu Valença

Modinha para Gabriela – Tema de abertura
Compositor: Dorival Caymmi
Intépretes: Gal Costa

Filho da Bahia – Tema de Glorinha
Compositores: Walter Queiroz
Intépretes: Fafá de Belém

Caravana – Tema de Mundinho Falcão
Compositores: Geraldo Azevedo / Alceu Valença
Intépretes: Geraldo Azevedo

Porto – Tema geral
Compositor: Dori Caymmi
Intépretes: MPB4

Retirada
Compositores: Elomar
Intépretes: Elomar

Doces Olheiras
Compositores: João Bosco / Aldir Blanc
Intépretes: João Bosco

Adeus
Compositores: Dorival Caymmi
Intépretes: Walker

Trilha complementar: Uma Noite no Bataclan
A Volta do Boêmio
Compositor: Adelino Moreira
Intépretes: Nelson Gonçalves

Malagueña
Compositores: Vicente Fernandez
Intépretes: Los Indios

Vingança
Compositores: Lupicínio Rodrigues
Intépretes: Linda Batista

Siboney
Compositor: Ernesto Lecuona
Intépretes: Orquestra Serenata Tropical

Bigorrilho
Compositores: Paquito / Sebastião Gomes / Romeu Gentil
Intépretes: Jorge Veiga

Mano a Mano
Compositores: Carlos Gardel / José Razzano / Caledonio Flores Rechiflao
Intépretes: Carlos Lombardi

O Meu Boi Morreu
Compositores:
Intépretes: Cravo & Canela

Bar da Noite
Compositores: Haroldo Barbosa / Bidú Reis
Intépretes: Nora Ney

Historia de un Amor
Compositor: Carlos Almarán
Intépretes: Pepe Avila y Los Bronces

Castigo
Compositores: Dolores Duran
Intépretes: Roberto Luna

Mambo Jambo
Compositores: Prado / Karle / Towne
Intépretes: Perez Prado

Tortura de Amor
Compositores: Osmath Duck
Intépretes: Waldick Soriano

Perfurme de Gardênia
Compositores: Rafael Hernandez Marin
Intépretes: Bienvenido Granda

Jura
Compositores: Sinhô
Intépretes: Altamir Carrilho

0 Comentário para: “Gabriela (1975) Resumo | Personagens | Trilha Sonora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *