Fogo Sobre Terra Resumo | Personagens | Trilha Sonora

Confira o resumo da novela Fogo Sobre Terra desde o primeiro capítulo. Além do resumo você terá informações sobre a história, personagens e trilha sonora. Fique por dentro das novidades das novelas, aqui você encontra o resumo completo de Fogo Sobre Terra e de todas as novelas da Globo.

Sobre a Novela Fogo Sobre Terra

◘ Período de exibição: 06/05/1974 – 04/01/1975
◘ Horário: 20h
◘ Nº de capítulos: 209
◘ Autoria: Janete Clair
◘ Supervisão: Daniel Filho
◘ Direção: Walter Avancini

No final dos anos 1950, dois irmãos separados na infância se reencontram na condição de rivais ao decidir o destino de uma cidade e disputar o amor da mesma mulher. Pedro (Juca de Oliveira) e Diogo (Jardel Filho), filhos de fazendeiros do Mato Grosso, foram separados aos três anos de idade após perderem os pais em um desastre de avião. Pedro foi criado pela tia Nara (Neuza Amaral) na fictícia Divinéia, no sertão do Mato Grosso, enquanto Diogo foi levado para o Rio de Janeiro e criado pelo engenheiro Heitor Gonzaga (Jaime Barcelos), que teve um caso com Nara quando ela ainda era uma adolescente.

No Rio, Diogo frequentou as melhores escolas e desenvolveu um temperamento prático que o levou a se formar em engenharia e a se transformar em um profissional muito bem-sucedido, contratado da empresa de Heitor Gonzaga, de quem adotou o sobrenome e a quem trata como pai. Foi casado e teve uma filha, mas carrega na consciência a culpa pela morte da ex-mulher, que cometeu suicídio logo após a separação.

Em Divinéia, Pedro Azulão foi educado pelo beato Juliano (Ênio Santos) – ex-piloto do avião em que seus pais morreram – e aprendeu desde cedo a tomar conta dos negócios do pai, firmando-se como o boiadeiro dono da maioria das terras de sua região. Ele tem um grande amor pela cidade, batizada com o nome de sua mãe, e vigia com austeridade os forasteiros e viajantes que por acaso atravessam o seu território.

Representando essas duas realidades – a modernidade e a tradição, o urbano e o rural –, os dois irmãos se reencontram 30 anos mais tarde, quando a empresa de Heitor Gonzaga envia Diogo ao Mato Grosso para chefiar a construção de uma represa no local ocupado por Divinéia. Situada às margens do rio Jurapori, a cidade deveria ser inundada pelas águas do rio. Os seus habitantes seriam, então, realocados em outra cidade, a ser construída quilômetros adiante, onde poderiam usufruir dos benefícios da irrigação do solo proporcionados pela barragem. Pedro Azulão, entretanto, não quer pagar o preço de ver sua cidade desaparecer em prol de um progresso no qual não acredita, e estimula a população a se insurgir contra a obra.

Enquanto tenta convencer Pedro de que está propondo o melhor para a cidade, Diogo conhece e se apaixona por Chica Martins (Dina Sfat), namorada de infância do irmão. A mulher, que passa a ser o objeto da disputa dos dois irmãos, cresceu sonhando em ser rica e morar na cidade grande e, por isso, odeia tudo o que lembre sua origem humilde. Ela odeia até o próprio nome, a ponto de dizer que se chama “Débora” ao ser apresentada a desconhecidos. No passado, Chica chegou a abandonar Pedro Azulão para fugir com um fazendeiro que passava pela cidade, mas se arrependeu e voltou. No início, seu interesse por Diogo reside essencialmente na perspectiva de deixar Divinéia para viver na cidade grande, mas depois ela se apaixona pelo engenheiro.

Acompanhando Diogo, também chega à Divinéia a jovem Bárbara (Regina Duarte). Ela é a filha que Heitor Gonzaga teve com Nara, quando esta tinha 16 anos. Foi levada ainda criança para a cidade grande e criada pelo pai, que nunca lhe contou a verdade a respeito da identidade da mãe. Seu maior drama são as frequentes crises nervosas que lhe provocam cegueira psicológica, uma consequência do trauma de ter sido afastada da mãe. Em Divinéia, ela se aproxima de Pedro e Nara e, a partir do relacionamento com os dois, consegue superar seu problema. Nara vai gradualmente ocupando o seu lugar no coração da filha, até que lhe revela a verdade. E Pedro se apaixona pela moça, que termina sendo a razão pela qual ele abandona o conflito com o irmão.

No decorrer da trama, enquanto os engenheiros dão início aos preparativos para a demolição da cidade, Pedro Azulão tenta de todas as maneiras impedir que o irmão leve a cabo seu empenho. Por conta disso, acaba temporariamente preso. Quando é libertado, ele se convence de que é inútil resistir e decide se trancar em casa e se deixar levar pelas águas, como forma de protesto. Mas Bárbara revela que está esperando um filho dele e lhe pede para pensar na felicidade da criança. Emocionado, Pedro abandona a cidade.

No capítulo final, o progresso triunfa, e Divinéia é submersa pelas águas do Rio Jurapori. Nara, que insiste em permanecer na cidade, morre durante a inundação.

Resumo de Todos os Capítulos da Novela Fogo Sobre Terra

** Resumo não divulgado

No final dos anos 1950, dois irmãos separados na infância se reencontram na condição de rivais ao decidir o destino de uma cidade e disputar o amor da mesma mulher. Pedro (Juca de Oliveira) e Diogo (Jardel Filho), filhos de fazendeiros do Mato Grosso, foram separados aos três anos de idade após perderem os pais em um desastre de avião. Pedro foi criado pela tia Nara (Neuza Amaral), em Divineia – cidade fictícia – no sertão de Mato Grosso, enquanto Diogo foi levado para o Rio de Janeiro e criado pelo engenheiro Heitor Gonzaga (Jaime Barcelos), engenheiro e ex-amante de Nara.

No Rio, Diogo frequentou as melhores escolas e desenvolveu um temperamento prático que o levou a se formar em engenharia e a se transformar em um profissional muito bem-sucedido, contratado da empresa de Heitor Gonzaga, de quem adotou o sobrenome e a quem trata como pai. Foi casado e teve uma filha, mas carrega na consciência a culpa pela morte da ex-mulher, que cometeu suicídio logo após a separação.

Em Divineia, Pedro Azulão foi educado pelo beato Juliano (Ênio Santos) – ex-piloto do avião em que seus pais morreram – e aprendeu desde cedo a tomar conta dos negócios do pai, firmando-se como o boiadeiro dono da maioria das terras de sua região. Valente, de temperamento explosivo e respeitado como uma autoridade pelos moradores, ele demonstra o amor que tem pela cidade, batizada com o nome da sua mãe, vigiando com austeridade os forasteiros e viajantes que por acaso atravessam o seu território.

Representando essas duas realidades – a modernidade e a tradição, o urbano e o rural –, os dois irmãos se reencontram 30 anos mais tarde, quando a empresa de Heitor Gonzaga envia Diogo ao Mato Grosso para chefiar a construção de uma represa no local ocupado por Divineia. Situada às margens do Rio Jurapori, a cidade deveria ser inundada pelas águas do rio. Os seus habitantes seriam, então, realocados em outra cidade, a ser construída quilômetros adiante, onde poderiam usufruir dos benefícios da irrigação do solo proporcionados pela barragem. Pedro Azulão, entretanto, não quer pagar o preço de ver sua cidade desaparecer em prol de um progresso no qual não acredita e estimula a população a se insurgir contra a obra.

Enquanto tenta convencer Pedro de que está propondo o melhor para a cidade, Diogo conhece e se apaixona por Chica Martins (Dina Sfat), namorada de infância do irmão. A mulher, que passa a ser o objeto da disputa dos dois irmãos, cresceu sonhando em ser rica e morar na cidade grande e, por isso, odeia tudo o que a lembre da sua origem humilde. Ela odeia até o próprio nome, a ponto de dizer que se chama “Débora” ao ser apresentada a desconhecidos. No passado, ela chegou a abandonar Pedro Azulão para fugir com um fazendeiro que passava pela cidade, mas se arrependeu e voltou. No início, seu interesse por Diogo reside essencialmente na perspectiva de deixar Divineia para viver na cidade grande, mas depois ela se apaixona pelo engenheiro.

Acompanhando Diogo, também chega à Divineia a jovem Bárbara (Regina Duarte). Ela é a filha que Heitor Gonzaga teve com Nara, quando esta tinha 16 anos. Foi levada ainda criança para a cidade grande e criada pelo pai, que nunca lhe contou a verdade a respeito da identidade da mãe. Seu maior drama são as frequentes crises nervosas que lhe provocam cegueira psicológica, uma consequência do trauma de ter sido afastada da mãe. Em Divineia, ela se aproxima de Pedro e de Nara e, a partir do relacionamento com os dois, consegue superar seu problema. Nara vai gradualmente ocupando o seu lugar no coração da filha, até que lhe revela a verdade. E Pedro se apaixona pela moça, que termina sendo a razão pela qual ele abandona o conflito com o irmão.

No decorrer da trama, enquanto os engenheiros dão início aos preparativos para a demolição da cidade, Pedro Azulão tenta tudo o que pode para impedir que o irmão leve a cabo seu empenho. Por conta disso, acaba temporariamente preso. Quando é libertado, ele se convence de que é inútil resistir e decide se trancar em casa e se deixar levar pelas águas, como forma de protesto. Mas Bárbara revela que está esperando um filho dele e lhe pede para pensar na felicidade da criança. Emocionado, Pedro abandona a cidade.

No capítulo final, o progresso triunfa, e Divineia é submersa pelas águas do Rio Jurapori. Nara, que insiste em permanecer na cidade, morre durante a inundação.

Por ocasião do lançamento de Fogo Sobre Terra, Janete Clair falou sobre sua intenção de fazer da novela uma espécie de estudo do choque existente entre o homem do campo e o homem da cidade. “Sem abandonar o lado romântico, marca registrada e característica principal da minha maneira de escrever, achei que estava na hora de apresentar um trabalho mais realista”, afirmou a autora.

Dina Sfat atuou grávida de sua terceira filha durante a novela. Já Regina Duarte havia dado à luz a filha Gabriela há apenas 45 dias quando começou a gravar. Para dar conta do trabalho e das obrigações de mãe – ela tinha que amamentar a criança de três em três horas –, a atriz se mudou para o prédio em frente à emissora, no Jardim Botânico, onde eram gravadas as cenas de estúdio.

Na sinopse proibida pela censura, o título original da novela era Cidade Vazia. O novo nome foi decidido de uma forma inusitada. Daniel Filho conta que ele e Boni combinaram de jogar o I-Ching e batizar a novela com os elementos que aparecessem nos hexagramas. O resultado mostrou os elementos “fogo” e “terra”.
Para interpretar a personagem Bárbara, vítima de cegueira psicológica, Regina Duarte foi conhecer de perto esse universo.

Elenco
Abel Pêra – Vigário
Antônio Vitor – Bandeira
Aracy Cardoso – Lisa
Cleide Blota – Lurdes
Darcy de Souza
Dary Reis – Tonho Madeira
Dina Sfat – Chica Martins
Edson França – Nilo Gato
Edson Silva – Neves
Ênio Santos – Beato Juliano
Françoise Forton – Estrada-de-Ferro
Fúlvio Stefanini – Gustavo Almeida
Germano Filho – Quebra-Galho
Gessy Fonseca – Celeste
Gilberto Martinho – José Martins
Herval Rossano – Arthur Braga
Ida Gomes – Frida
Isaac Bardavid – Salim
Jaime Barcellos – Heitor
Jardel Filho – Diogo
José Miziara – Amadeu
Juca de Oliveira – Pedro Azulão
Léa Garcia – Rita
Lícia Magna – Isabel
Lourdinha Bittencourt – Suely
Marcos Paulo – André
Maria Zilda Bethlem
Mary Daniel – Maria
Monique Lafond – Judi
Neuza Amaral – Nara
Nilton Martins – Januário
Regina Duarte – Bárbara
Roberto Bomfim – Raul
Roberto Vieira – Cabo Anacleto
Rosana Garcia – Viviane
Sônia Braga – Brisa
Tamara Taxman – Jamile
Tony Ferreira
Vinícius Salvatore
Coordenador: Gonçalves da Silva
Editor: Roberto Talma
Cenários: Mario Monteiro
Figurinos: Elano Pinto
Sonoplasta: Antonio Faya
Continuísta: Marta Medice
Abertura: Cyro Del Nero
Trilha sonora: Sigla, Vinicius de Moraes e Toquinho
Chefia de operação: Rene Proença e Jeol Motta
Equipe externa: Nelio Garcia e Aristeu Ozorio

Elenco / Personagens

DIOGO (Jardel Filho) Engenheiro bem-sucedido, irmão de Pedro Azulão (Juca de Oliveira) e sobrinho de Nara (Neuza Amaral). Enérgico, ativo, dinâmico, positivo, obstinado por seus objetivos. Não vê o irmão há pelo menos 30 anos. Foi adotado pelo Dr. Heitor Gonzaga (Jaime Barcellos), por isso usa seu nome. Tem uma filha. Sente-se culpado pela morte da mulher, que cometeu suicídio após a separação do casal.

PEDRO AZULÃO (Juca de Oliveira) Irmão de Diogo (Jardel Filho), sobrinho de Nara (Neuza Amaral). Criado no campo, é impulsivo, valente, puro, simplório e obstinado, agindo sempre pelo instinto. Mas não conhece o ódio, apenas o impulso momentâneo. Crente em Deus, foi criado pelo beato Juliano (Ênio Santos), que incutiu nele a sua fé. Dono de quase todas as terras da região, vive unicamente para cuidar da cidade. É o líder do lugar. Tem muitos casos amorosos nas viagens que faz como boiadeiro, mas ama mesmo Chica (Dina Sfat), a namorada de infância. Entra em choque com o irmão, por não acreditar nos benefícios da civilização. Tenta, de todas as maneiras, evitar a construção do canal que inundará sua cidade.

BÁRBARA (Regina Duarte) Filha de Nara (Neuza Amaral) e Heitor (Jaime Barcellos), criada pelo pai. Moderna, cheia de problemas existenciais, insatisfeita, tem uma grande necessidade de afirmação. Foi criada dentro de uma moral rígida, conseguindo sua liberdade a muito custo. Está sempre em busca de novas emoções e experiências e, apesar da pouca idade, já experimentou de tudo um pouco. Foi arqueóloga, alpinista, atriz de cinema, pintora, decoradora e dona de butique, mas larga tudo pela metade. Vítima de cegueira psicológica, que a domina quando não consegue controlar uma crise nervosa. Apaixona-se por Pedro Azulão (Juca de Oliveira).

NARA (Neuza Amaral) Tia de Pedro Azulão (Juca de Oliveira) e Diogo (Jardel Filho). Calada, perspicaz e observadora. Mãe de Bárbara (Regina Duarte), fruto de um relacionamento com Heitor (Jaime Barcellos) na adolescência. Foi quem criou Pedro Azulão, filho de sua irmã, embora tenha sido obrigada a dar a filha para o pai criar na cidade grande.

CHICA MARTINS (Dina Sfat) Namorada de infância de Pedro Azulão (Juca de Oliveira), abandonou-o no passado para acompanhar um fazendeiro, mas voltou para o boiadeiro. Tem vergonha da origem humilde, e odeia a pobreza. De temperamento ardente, sonha em ser uma moça da cidade grande. Cresceu vendo o pai, José Martins (Gilberto Martinho), bater na mãe, o que gerou nela uma ideia de libertação exagerada.

BRIZA (Sônia Braga) É o contrário de sua irmã Chica (Dina Sfat). O desajuste dos pais lhe deu um senso de responsabilidade fora do comum. Filha exemplar, cuida do pai, José Martins (Gilberto Martinho), com carinho. Apegada e tímida, é dominada pela irmã.

HEITOR GONZAGA (Jaime Barcellos) Engenheiro, pai de Bárbara (Regina Duarte), foi quem criou Diogo (Jardel Filho). Esteio e origem das tramas da história. Homem respeitado, presidente da Companhia Gonzaga S/span, encarregada da construção do canal. No passado viveu na cidade e se apoderou das terras dos Damião. Levou Diogo com ele e deu-lhe nome e posição. Bom pai, bom marido, respeita a esposa, Celeste (Gessy Fonseca), embora tenha se casado unicamente pelo dinheiro. Gosta sinceramente de Diogo, que transformou em um grande engenheiro.

CELESTE GONZAGA (Gessy Fonseca) Milionária, filha de família tradicional paulista. Mulher fina, acostumada ao luxo, bondosa ao extremo. Adora a suposta filha, Bárbara (Regina Duarte), a quem se dedica com exagero, porque não pode ter filhos biológicos. Um pouco nervosa, gosta de receber bem, tem sempre muitos deveres sociais. Viajada, conhece o mundo todo.

TONHO MADEIRA (Dary Reis) Farmacêutico e prefeito da cidade. Bonachão, bem casado, contador de histórias. Um dos fundadores de Divinéia.  Bom pai de família.

QUEBRA-GALHO (Germano Filho) Expedito Santos de Matos, ganhou o apelido pela sua magreza. Tem cara de esfomeado. Retratista, bombeiro, mecânico e pedreiro. Tem dez filhos, cada um com um nome especial. A mais velha é Estrada-de-Ferro. Os outros são Rodoviária, Aeroplano, Automóvel, Ônibus, Trator, Estação, Pedestre, Trem e Escada Rolante.

ESTRADA-DE-FERRO (Françoise Forton) Filha mais velha de Quebra-Galho. Revolta-se com o pai porque ele que dar-lhe em casamento para o filho de um amigo.

IVONE (Darcy de Souza) Mulher de Quebra-Galho (Germano Filho), mãe de seus dez filhos. A mártir personificada. Trabalha na lavoura de erva-mate de Pedro Azulão (Juca de Oliveira).

NILO GATO (Edson França) Nordestino, chega na cidade para trabalhar na lavoura de erva-mate do Dr. Braga (Herval Rossano). Bom, puro e simples, revolta-se com o regime de trabalho da fazenda. Foge e passa a viver acuado, assaltando para comer.

ARTHUR BRAGA (Herval Rossano) Filho de coronel do interior, déspota, dominador e mau-caráter. Herdou do pai o que havia de pior. Verdadeiro antagonista de Pedro Azulão (Juca de Oliveira), que não aceita suas imposições. Acha interessante a ideia de transformar a cidade num lago. Sua fazenda está num local a salvo, e seria beneficiada.

ISABEL (Lícia Magna) Rústica e amargurada, perdeu um filho com 20 anos. Trabalha na lavoura de erva-mate, e transfere para Nilo Gato (Edson França) o amor do filho falecido. Segue com ele pela vida errante do banditismo.

DELEGADO AMARO (Tony Ferreira) Delegado de Vila Velha, a cidade mais próxima. Chamado com frequência para resolver casos policiais.

ANDRÉ DE MELO (Marcos Paulo) Engenheiro recém-formado, amigo de Diogo (Jardel Filho). Ajudado por Heitor Gonzaga (Jaime Barcellos), conseguiu uma boa posição na Companhia após se formar. Bom caráter, trabalhador, dinâmico, não tem problemas, exceto os sentimentais. Passa a morar em Divinéia, e envolve-se com os problemas locais.

BEATO JULIANO (Ênio Santos) Piloto do avião acidentado no qual morreram os pais de Diogo (Jardel Filho) e Pedro Azulão (Juca de Oliveira). Por sentimento de culpa, dedicou-se à religião com fanatismo, abandonando mulher e filho na capital, e assumindo a criação de Pedro, sendo seu mentor e cuidando dele como um pai.  Soube que a mulher morreu, e nunca mais teve notícias do filho, recém-nascido quando ele deixou a família.

JOSÉ MARTINS (Gilberto Martinho) Pai de Chica Martins (Dina Sfat) e Briza (Sônia Braga), homem forte e agressivo. Mata a mulher por ciúmes.

RITA (Léa Garcia) Mulher de Zé Martins (Gilberto Martinho), madrasta de Briza (Sônia Braga) e Chica (Dina Sfat).

SALIM (Isaac Bardavid) Mascate, chegou ao Brasil ainda menino, vindo da Síria. Do tipo espertalhão, engana a freguesia vendendo coisas usadas como novas. Mas é um grande sujeito, gozador e falante. Quando fica nervoso, enrola a língua e xinga todo mundo em árabe. Pai de Jamile (Tamara Taxman).

JAMILE (Tamara Taxman) Filha de Salim (Isaac Bardavid), boa menina, esperta e sabida. Leva as novidades de São Paulo para as meninas do interior.

LISA (Aracy Cardoso) Jovem viúva, fina, rica e bonita. Tem uma paixão secreta por Diogo (Jardel Filho). Sobrinha de Celeste (Gessy Fonseca), médica psiquiatra. A única que consegue frear os ímpetos de Bárbara (Regina Duarte), pois a compreende. Acompanha os Gonzaga ao interior.

FRIDA (Ida Gomes) Alemã, dona do hotel da cidade.

AMADEU (José Miziara) Assistente de André (Marcos Paulo), carioca, meio esquentado, muito eficiente na profissão. Técnico de engenharia de construções.

GUSTAVO ALMEIDA (Fúlvio Stefanini) Advogado da Companhia, o protetor de Bárbara (Regina Duarte).

Trilha Sonora Nacional e Internacional

Nacional
As Cores de Abril
Composição: Toquinho / Vinicius de Moraes
Intéprete: Toquinho e Vinicius

A Senha do Lavrador
Composição: José Jorge Miquinioty / Ruy Maurity
Intéprete: Ruy Maurity

Uma Rosa em Minha Mão
Composição: Toquinho / Vinicius de Moraes
Intéprete: Marilia Barbosa

Calmaria e Vendaval
Composição: Toquinho / Vinicius de Moraes
Intéprete: Djavan

Pele de Ouro
Composição: José Jorge Miquinioty / Ruy Maurity
Intéprete: Ruy Maurity

Fogo Sobre Terra
Composição: Toquinho / Vinicius de Moraes
Intéprete: Coral Som Livre

Com Licença
Composição: José Jorge Miquinioty / Ruy Maurity
Intéprete: Ruy Maurity

Divinéia
Composição: Guga / Getúlio de Oliveira / Adauto Santos / Léo Karan
Intéprete: Eustaquio Sena

Planta Baixa
Composição: Toquinho / Vinicius de Moraes
Intéprete: Betinho

Ai Quem Dera
Composição: Toquinho / Vinicius de Moraes
Intéprete: Instrumental

Passarinhada
Composição: José Jorge Miquinioty / Ruy Maurity
Intéprete: Ruy Maurity

Fogo Sobre Terra – Tema de Abertura
Composição: Toquinho / Vinicius de Moraes
Intéprete: MPB-4 & Quarteto em Cy

Internacional

La Chanson pour Anna
Composição
Intéprete: Free Sound Orchestra

Tic Tac
Composição: Steve Liquor
Intéprete: Alarm Clock

Don’t be Down
Composição
Intéprete: Papi

Can We Live Forever
Composição
Intéprete: The Whispers

Bite You
Composição: Bo Diddley
Intéprete: Bo Diddley

Black & Roll
Composição: Max Boulois
Intéprete: Max B

I’ll Love You Tenderly
Composição
Intéprete: King Lou

Son of Sagittarius
Composição: Eddie Kendricks
Intéprete: Eddie Kendricks

Rhapsody in White
Composição: Barry White
Intéprete: Barry White

I Won’t be Following You
Composição: Dennis Locorriere
Intéprete: B.J. Thomas

Sleepin’
Composição: R. Miller / T. Etlinger
Intéprete: Diana Ross

It’s All in the Game
Composição: Carl Sigman / Charles Dawes
Intéprete: Tyrone Davis

Seasons in the Sun
Composição: Brel / McKuen
Intéprete: Terry Jacks

Machine Gun
Composição: Milan Williams
Intéprete: The Commodores

0 Comentário para: “Fogo Sobre Terra Resumo | Personagens | Trilha Sonora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *